Guerra na Ucrânia: invasão está saindo como Rússia esperava?

 

A história mostra que é muito mais fácil começar uma guerra do que terminá-la.

Foi o que aconteceu, por exemplo, com a invasão liderada pelos EUA no Afeganistão em 2001 e no Iraque em 2003. E pode ser o caso da atual invasão da Rússia de Vladimir Putin à Ucrânia.

Um velho axioma diz que o planejamento militar nunca sobrevive ao primeiro contato com o inimigo. Parece ser esse o caso para as forças russas.

Ed Arnold, especialista em segurança europeia do think tank britânico Royal United Services Institute (Rusi), descreve o ataque inicial da Rússia como "mais lento do que o esperado".

TEMPO REAL: acompanhe a cobertura sobre a guerra na Ucrânia

A doutrina militar ensina que, durante uma invasão, o indicado é "avançar com força arrebatadora". Embora a Rússia tenha reunido entre 150 mil e 190 mil soldados na fronteira, não usou todos eles até o momento.

Uma das razões pode ser o cálculo russo de que talvez precise usar o efetivo em fases posteriores da invasão. É normal que o Exército mantenha reservas enquanto ajusta os planos.

Autoridades ocidentais estimam que o ataque inicial envolveu cerca de metade das forças mobilizadas. A operação teve um grau de dificuldade maior por envolver ataques em várias direções.

INSTALAR APP

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.